domingo, 30 de março de 2014

Sonho 1





















um sonho num corpo
nu que se contorce

à beira do abismo
a besta invisível

só mão e chicote
escarna-me o corpo

visão quase lógica
em mão e chicote

da beira e do alívio
na besta do abismo

que não se contorce
meu corpo que rola

nu em desespero
caindo em mim mesmo

me vendo cair
do fundo do abismo

e me desespero
no fundo em mim mesmo

caindo em sorrisos
da besta do alívio

me vendo me ver
caindo no eterno

caindo do inferno
caindo no inferno


(Poema de Luiz Ariston)
















O manto da noite
É um peixe solúvel,

Um chicotear 
Da madrugada

Arde e explode
Com o sereno da manhã.

(Poema de Dora Dimolitsas)
Foto: Marcela C. Gallic

Navalha no Nervo
















folhas de amianto
sobre o teto
da velha construção
objeto do reparo 
imediato

foco na estrutura 
fora de forma
e avariada
análise do conteúdo
amplia a reforma

ponteiro e talhadeira
descaracterizam arcos
impõem às colunas
linha angular

rearranjo e substituição
dos componentes
imprimem ao espaço
design moderno

               detalhe por detalhe

               navalha no nervo

gozo ímpar
pelo estilo da forma 

                 face com novo ângulo 

templo contemporâneo
em papel permeável

(Poema de Maria Alice de Vasconcelos) 
S. Paulo, 06/2012              












O tempo furta o tempo
E nas Ba da la das das horas

As chamas inquietam-se
Nas cinzas,

Percorre a ponte, 
Onde fica o poente 

Atravessa ligeiro
O limiar fugaz 

Sorrateiro e sem cheiro
Um tirando de cansado.

(Poema de Dora Dimolitsas)

Sonho 2















sonho macabro
serpente em parapeito
janela abro
escamas no cimento


(Poema de Luiz Ariston)














Livro aberto é um infante
               Um pássaro de fogo
Rasga o espaço
               Busca novas fontes,
Tinge o papel
               Risca e sangra.
A linguagem é alma tatuada.

(Poema de Dora Dimolitsas)

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Floresta Antiga















Pôr do Sol
Raspando folhagens
Tronco fórceps
Rochedos faíscas
A estremecer as águas

                                               Mar cheio de pressa
                                               Rio todo silêncio
                                               Divagava,
                                               Lentamente,
                                                                     Rio serpente

Turbulento silêncio
Prece da manhã
Nas conchas das maré alta
                                              Na brevidade da luz
                                              Devoradas sombras

Caos, dissolução
Perene ardor da fúria
Transporta o mar no rio
Mergulha na sua sombra
                                              Horizonte invertebrado
                                              Curva turva a Terra
                                              Hipotenáusea.


Na gruta áspera a grande água passa.

(Poema de Maria Fátima)